Esclarecimento do Sinjufego sobre a Greve Geral do dia 28

Publicado em 27/04/2017

Compartilhe

Cumprindo calendário de luta deliberado pela Fenajufe, instância superior da categoria, o Sinjufego realizou no dia 25/04/2017 assembleias setoriais no TRT-GO, TRE-GO e JF-GO. Nessas assembleias foi aprovado a participação dos servidores de Goiás na paralisação nacional do dia 28/04/2017.

Desde 2011, o nosso sindicato é integrante do Forúm Goiano das Entidades Federais - FOGEF, coletivo que visa atuar de forma organizada em pautas comuns ao conjunto dos servidores Públicos Federais, como a bandeira da data-base. Essa união de entidades possui mais força para negociar com os parlamentares de Goiás. 

Como desdobramento natural dessa organização, neste ano de 2017 foi criado o Fórum Goiano contra as Reformas da Previdência e Trabalhista que congrega as mais variadas entidades, composto por Centrais, sindicatos estaduais, federais e  municipais. Nas reuniões desse coletivo, foi deixado claro que o inimigo é um só: as propostas do Governo de alterar as regras da previdência do servidor e reforma Trabalhista, pois com o oportunismo de se combater a crise econômica a base parlamentar governista vem se lançando numa cruzada sem precedentes na redução de direitos dos servidores públicos. Registre-se que o trabalho desse Fórum aqui em Goiás vem dando resultado, diante da pressão da luta conjunta alguns deputados vêm recuando da posição de votar favoravelmente na PEC 287/2016.

Para manter sua independência de atuação, registre-se que o Sinjufego, desde 2010, não está filiado a nenhuma Central Sindical. Portanto, não procedem alguns comentários de que a Greve Geral do dia 28/04 possui caráter político e de que está sendo promovido por uma única Central. Isso não é verdade. Trata-se de informações distorcidas plantadas pela grande imprensa com o propósito de enfraquecer a mobilização. A categoria não deve se deixar levar por esses comentários tendenciosos das mídias. Ainda mais porque sabemos que os principais meios de comunicação disputam arduamente as verbas do Executivo. Também o Governo sabe que o sucesso da manifestação de amanhã, dia 28/04, será o fracasso da votação da Reforma da Previdência, marcada para ocorrer no dia 02/05/2017. E pode afetar a votação da Reforma Trabalhista no Senado.

Lamenta-se ainda a postura do TRT-GO que segue a cartilha do presidente do TST, Yves Gandra, dirigente que pediu a retirada dos projetos de interesse da Justiça Trabalhista ao deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara Federal, que, por sua vez, defendeu publicamente o fim da Justiça do Trabalho. Isso é muita contradição. É apoiar o próprio inimigo e endossar as iniciativas de desmonte da estrutura trabalhista. Por certo os atos de valorização da Justiça do Trabalho não incluem o apoio à Greve Geral contra a Reforma Trabalhista cujo texto base foi aprovado ontem, 26/04, pelo Plenário da Câmara. Simplesmente essa proposta de alterar 200 artigos da CLT dissolve a Justiça do Trabalho o que deixa incerto o futuro de servidores e de magistrados. Se a Justiça do Trabalho corre o risco de ser extinta, os cargos também correm esse mesmo risco.

Sinjufego conclui esta nota conclamando os servidores para a Greve Geral de amanhã, o sindicato estará sempre alerta em defesa dos direitos da categoria, sejam lá de onde vierem, sejam de qualquer Governo, os ataques à categoria terão sempre a resistência do Sinjufego que tem nos seus filiados o verdadeiro partido a defender.   

---

Diretoria do Sinjufego